Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Selecção r e k

Selecção r e k

África tem potencial para alimentar o mundo inteiro

Bom hoje li uma notícia no DN, que me deixou no mínimo perplexo e pensativo, na 4.ª edição da conferência Diálogos Atlânticos em Marraquexe, quatro analistas internacionais, num debate subordinado ao tema "Realizar uma revolução verde em África", um dos anfitriões afirmou que "África tem potencial para se alimentar não só a si mesma, mas também para alimentar todo o mundo", bem isso até pode corresponder à uma possível e optimista opinião, mas creio que ainda à muito a fazer, até que lá cheguemos, e a começar pelas politicas agronómicas e ambientais adoptadas pelos governos de cada estado africano, e que a meu ver são no mínimo desastrosas. 

 

A outra referência feita foi a de que  "agora, já não há fome no Brasil", bom a situação até pode ter melhorado, com o investimento feito na agricultura brasileira e hoje em dia têm muitos bons exemplos de sucesso,  mas daí até afirmar que já não há fome...

 

Em ambos os casos o potencial de melhoria é enorme, mas de resto e pelo que me foi dado a ler na notícia, ambas as afirmações são neste momento utópicas e inverosímeis.

 

O futuro da alimentação humana (2050)

Em 2050 vamos, seguramente, ter muitas mais bocas para dar de comer, muito maior pressão sobre a emissão de gases a efeito de estufa, sobre o uso eficiente da água e sobre o preço dos terrenos agrícolas.Os engenheiros da empresa Solagro trabalharam durante dois anos com um conjunto de cientistas, para desenvolver uma previsão do que será a agricultura francesa nos próximos 35 anos.

O projecto, denominado Afterres 2050, foi apresentado em Paris nos dias 15 e 16 de Outubro. Uma das conclusões deste estudo aponta para uma redução draconiana do efectivo bovino, mas não forçosamente o número de produtores, pois prevê-se o regresso à alimentação através de pastagens, com menos animais por produtor. A produtividade das vacas leiteiras também vai ter uma redução significativa, com o retorno à erva.

Ao nível das culturas, vamos assistir a uma muito maior rotatividade, com redução de produtos fitossanitários.Os sistemas de produção integrada e bio vão absorver a grande fatia da agricultura francesa em 2050.O valor global da actividade agrícola vai diminuir ligeiramente, mas a diminuição do uso de produtos químicos vai trazer uma maior rentabilidade ao sector.

Este estudo mostra que serão perdidos cerca de 50.000 postos de trabalho, no entanto, o sector agro-alimentar deve vir a perder 78.000 postos de trabalho.A despesa das famílias com a alimentação deve diminuir, com as proteínas vegetais a custarem menos que as proteínas animais.

Opinião

Recomendo vivamente a leitura da opinião de Marta Paz, ao jornal Público, intitulada a "Agricultura, alimentação e natureza", a qual deixo aqui um pequeno excerto. 

A Europa produz comida em excesso. Graças essencialmente à nossa produção, temos comida disponível nas lojas para alimentar cerca de 136% da população europeia, apesar de não conseguirmos assegurar a sua adequada distribuição por todos. Ainda assim, os agricultores europeus continuam a ser pressionados para produzir mais quantidade por menos dinheiro, deixando para segundo plano os custos sociais e ecológicos que daí resultam.

 

 

Jovens com necessidades especiais procuram emprego na agricultura

Sem ocupação profissional e com dificuldades em integrar o mercado de trabalho, 25 pessoas com necessidades especiais recebem formação agrícola, através do projeto SEMEAR, no Instituto Superior de Agronomia da Universidade de Lisboa, que visa proporcionar-lhes oportunidades de emprego. De mangas arregaçadas e de enxadas nas mãos, os participantes, entre 18 e 35 anos e com diferentes necessidades especiais, como síndrome de Down, paralisia cerebral ou atrasos cognitivos, aprendem a trabalhar na área da agricultura e jardinagem, através de uma formação certificada pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), nos terrenos agrícolas do Instituto Superior de Agronomia, na Tapada da Ajuda.

Link, Notícias ao Minuto

Jovens com necessidades especiais procuram emprego na agricultura

Cortinas de Abrigo

As cortinas de abrigo são elementos estruturantes numa paisagem agrícola. Estas podem ser remanescentes de antigas florestas, resultado de colonização espontânea ou plantadas devido à sua importância para a agricultura, fauna e flora. As cortinas de abrigo de paisagens agrícolas, compostas por árvores e arbustos, têm um papel fundamental para a protecção das culturas agrícolas, do gado e da fauna e flora silvestres, particularmente em zonas muito expostas ao vento, como nas regiões costeiras. Comparativamente a áreas expostas, a velocidade do vento é reduzida em cerca de 30 a 50% numa área protegida por uma cortina de abrigo.

Link, Naturlink

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Calendário

Junho 2016

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930